domingo, 8 de abril de 2012

Sushiguen

Este restaurante japonês fica escondido dentro de uma galeria, quase na esquina entre a Paulista e a Brigadeiro.

Quando fui visitá-lo, a convite de um amigo, achei que encontraria um ambiente bem simples, quase no estilo do saudoso restaurante da japonesa que grita (atual Waka House). Ou seja, um lugar igualmente underground, no melhor estilo Blade Runner .

Entretanto, chegando lá, fui surpreendido pelo ambiente agradável e bem iluminado. Logo ao adentrar o ambiente, a atendente nos recepcionou falando em japonês. Apesar de estar com o idioma enferrujado, consegui entender o que ela estava dizendo, perguntando para quantas pessoas seria a mesa, e se aceitávamos tomar chá. Eram frases pra lá de básicas, mas naquela hora percebi que já estava mais do que na hora de voltar a estudar o idioma. E mesmo apesar de falar razoavelmente bem o inglês, há momentos em que isto não ajuda muito.

Como achei que o restaurante seria mais simples, pensei o mesmo em relação ao preço. Ao abrir o cardápio, os valores também eram um pouco maiores do que eu esperava encontrar. Mas como estes restaurantes escondidos e bem tradicionais costumam ter as melhores comidas, o valor não foi problema.

Pedi o teishoku de atum no sal. Um pedaço generoso de atum grelhado, acompanhado por uma tigela de arroz, missoshiru, salada, e dois pedaços pequenos de berinjela empanada, bastante saborosas. Havia também a opção de pedir o atum ao molho agridoce, mas resolvi experimentá-lo na versão mais tradicional mesmo.



Fiquei surpreso com a quantidade de missô (pasta de soja) utilizado no prato. De entrada, uma pequena porção de tofu (queijo de soja). A salada, temperada com missô. A berinjela empanada trazia em cima um molho de missô, e ainda havia uma tigela de missosshiru (a sopa do missô). Foi um festival de missô, mas ainda bem que eu gosto bastante deste ingrediente. Então, se você também gosta, este é o local.

Como som ambiente, versões instrumentais de enka, que é a famosa MPJ - Música Popular Japonesa.

A casa fica bem no meio de outros dois restaurantes japoneses, e estes sim possuem a aparência mais "Blade Runner". Certamente irei visitá-los também.

Onde: Rua Manoel da Nóbrega, 76 - Loja 13/14
Quanto: teishoku de atum no sal a R$27,00. 10% opcional, a serem pagos numa caixinha de papelão bem ao lado do caixa.
Ponto positivo: comida japonesa tradicional, ambiente agradável.
Ponto negativo: não visitei o andar superior, mas a casa não aparenta ter muitas mesas, o que pode gerar longas esperas nos horários de pico.
Vale a pena? Sim, pra quem gosta de comida japonesa bem tradicional. E pra quem gosta de missô também.

4 comentários:

  1. Para quem adora misso, deve valer a pena. Obrigada pela dica!!

    ResponderExcluir
  2. anotei a dica!

    acompanho todos os dias seu blog de terras cariocas! adorooooo!!

    http://deliciasdaisa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. A especialidade do senhor Shimizu, que fica no balcão preparando os sushis, é o Tirashizushi, arroz temperado coberto por fatias de sashimis. Uma obra de arte e Shimizu-san é um dos últimos da velha guarda a preparar este prato com capricho e esmero. Recomendo da próxima vez sentar no balcão e pedir um tirashi.

    ResponderExcluir